Peça para o Dia dos Pais: Por favor, papaizinho, vamos!

baby-21249_1920

O dia dos pais está chegando! Vou começar uma série de publicações aqui no blog em homenagem a essa data. São peças, poesias, histórias que poderão ser usadas para a comemoração do dia dos pais na sua igreja, por exemplo. Para começar, vou compartilhar uma peça. Ainda dá tempo de ensaiar, hein?

Quando eu apresentei essa peça usei fantoche para o pai e a menina, o narrador foi uma pessoa. Mas pode apresentar com pessoas interpretando os personagens. No caso, depois uma adolescente para fazer o papel da menina já crescida.


 Por favor, papaizinho, vamos!

 

Narrador – Uma garotinha de olhar cintilante e resplandecente, rostinho alegre, assim falou:

Menina – Papaizinho, está na hora da EBD, vamos! Lá eles ensinam o amor de Jesus e como Ele morreu por todos nós.

Papai – Ah, não! Hoje não. Trabalhei a semana toda. Vou para a praia. Lá sim é agradável. Vá saindo e não me aborreça. Vamos à igreja qualquer dia.

Narrador – Passou a semana e chegou o domingo. A garotinha chegou perto do pai e disse:

Menina – Papai,  papaizinho! Hoje é domingo, vamos à igreja! O senhor não vai para praia hoje, não é verdade?

Papai – Ah, minha filha! Não vai dar para ir, pois estou tão cansado e com sono! Ainda é muito cedo, volte para cama.

Narrador –  A garotinha ficava muito triste, pois ela tinha tanta vontade de ir na EBD e ela pensava: “Quem sabe domingo ele vai”. E assim chegou o outro domingo.

Menina – Ei, papai! Acorda! Vamos à escola dominical?

Papai – Logo hoje? Não dá mesmo! Meu time vai jogar agora! E eu não vou perder por nada!

Narrador – Meses e anos afinal se passaram. E o papai não mais ouviu o apelo: “Vamos à igreja”  Os dias da infância se passaram. O pai envelhecera. Agora que o fim da vida se aproxima, ele encontra tempo para ir à igreja. E quando ele faz o convite, a filha lhe responde:

Filha – Fala sério! Hoje eu não posso, papai! Cheguei muito tarde da balada, Devo recuperar um pouco o sono, meu semblante está horrível!

Narrador – E o pai sempre insistia com a filha.

Papai – Vamos hoje, filha. Você precisa ouvir a palavra de Deus!

Menina-  Que nada, velho! Estou em outra. Hoje não posso, pois tenho que sair com a galera. Esse negócio de crente já era…

Narrador – Então o pai enxuga as lágrimas. As mãos trêmulas levanta, relembrando os tempos que se foram, parece ouvir a suplicante voz de sua filha, o rosto resplandecente, voltando para ele em cintilante olhar, a lhe dizer:  “Está na hora da escola dominical. Por favor… papai, não queres ir”?

(Extraído da revista Visão Missionária)

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s